• Alternativa Esportes

Queda do mito? Reexibição dos jogos da Seleção na Copa de 82 permite reinterpretação do seu papel

Por Luiz Cláudio


Este é um artigo opinativo. O texto abaixo é de total responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a opinião da Alternativa Esportes Web Rádio.

Em pé: Waldir Perez, Leandro, Oscar, Falcão, Luisinho e Junior. Agachados: Sócrates, Cerezo, Serginho, Zico e Éder. (FOTO: ACERVO/CBF)

Recentemente um canal de TV por assinatura exibiu a campanha da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Espanha, em 1982. Dos cinco jogos da equipe Canarinho no Mundial, apenas o jogo contra a Argentina, no qual a Seleção venceu por 3 a 1, não foi exibido na íntegra. Foi possível assistir na íntegra a vitória por 2 a 1 sobre a União Soviética, de virada e as goleadas, primeiro de 4 a 1 sobre a Escócia, também de virada e depois a de 4 a 0 sobre a Nova Zelândia, na primeira fase, além da derrota por 3 a 2 para a Itália, na segunda fase, naquela que muitos denominaram a “Tragédia do Sarrià”, em referência ao local do jogo, que foi disputado no Estadi de Sarrià, ou Estádio Sarriá, em Barcelona. O estádio da fatídica partida era onde o Espanhol mandava seus jogos. O time do Brasil encantou o mundo durante a Copa. Era uma equipe constelada. Muitos jovens não tiveram oportunidade de ver as exibições daquela Seleção. O time dirigido por Telê Santana tinha craques da estirpe de Sócrates, Cerezo, Falcão, Zico, Eder, Junior e Leandro.


Pois bem. Muitos ficaram decepcionados com o que viram. Imaginavam ver um futebol total. De intensidade. Acharam pouco o que viram, ou que houve exagero nos elogios à Seleção. Para estes, o jogo contra a Itália, de certo modo, mascarou a qualidade técnica da Seleção. Mas a Seleção de fato não era equilibrada. A começar pelo gol, o Brasil não apresentou um goleiro que pudesse transmitir confiança, à defesa e ao time como um todo. Waldir Perez não fez uma boa Copa. Embora suas atuações pelo São Paulo e até nos amistosos preparatórios para a Copa o credenciassem a ser o titular da Seleção. E no comando do ataque, o nosso centroavante destoava tecnicamente dos demais valores daquela Seleção. Seria muito melhor se ao invés do atacante Serginho tivéssemos no comando do ataque um centroavante de mais qualidade.

Baixe nosso aplicativo para Android no Google Play

A Seleção não entrou para a história por causa do seu goleiro, seu centroavante, já citados, nem tampouco por seu sistema de defesa, embora a dupla de zaga formada por Oscar e Luisinho até tivesse se saído bem. Também não foi pelo seu sistema tático, sua disposição do time em campo, nem esquema de jogo. Lembro-me que muito foi pedido ao Tele a escalação de um ponta. A Seleção jogava sem. Era quase um 4-5-1. O Leandro fez uma boa Copa. Já o Junior não se houve bem. Foram muitos os seus erros de posicionamento. Também não foi por causa deles que a Seleção ficou na memória do povo. Aliás, não foi por causa de um ou outro atleta em especial.


A Seleção tinha um estilo plástico de jogo muito bonito. Dos seus 15 gols feitos na Copa, o único que podemos dizer que foi um gol chorado, foi o do Zico contra a Argentina. As construções das jogadas para as finalizações foram de puro encanto. E quando elas redundavam em gols, eram mais bonitas ainda. Foram 14 belíssimos gols. Ficaram na memória do torcedor os gols do Sócrates e do Eder contra a União Soviética na estreia. Os gols do Zico, numa cobrança de falta magistral e do Eder, de cobertura, no jogo contra a Escócia, na segunda partida da primeira fase. E o que dizer do gol do Zico contra a Nova Zelândia? Um voleio, meia bicicleta, como queira. Contra a Argentina, os três gols. O de puro oportunismo do Zico, no primeiro gol. O gol do Serginho, que até foi fácil, mas a construção da jogada foi brilhante. Com uma movimentação que deixou a defesa da Argentina atordoada. E o gol do Junior, o terceiro do jogo, depois de um passe genial do Zico, sacramentando a eliminação da Argentina, que defendia o título conquistado em 78. Contra a Itália, os gols do Sócrates e do Falcão também foram golaços.

Siga a Alternativa Esportes no Youtube!

Para muitos o mito caiu porque, ao verem as reprises, o fizeram com o intuito de assistir aos erros da Seleção, ou procurá-los. Ninguém nunca disse que o time era perfeito. Tinha alguns senões. Esperavam ver o time com intensidade durante os 90 minutos. Como se isso fosse possível. Vimos equipes intensas, mas não durante toda uma partida. Outros preferiram analisar com o prisma de hoje. É claro que não tem como dar certo. Épocas distintas, análises táticas e físicas diferentes.


A favor da Seleção tem o fato de que realmente era um encanto vê-la jogar. E imaginar que o quarteto formado por Cerezo, Sócrates, Falcão e Zico, somente atuaram juntos pela primeira vez na segunda rodada, no jogo contra a Escócia. Imaginem vocês se eles tivessem entrosamento! Era uma Seleção que queria a posse de bola. Isso sim o tempo inteiro. Que não importava quanto estava o jogo, sempre ia à busca do próximo gol. Tinha apetite da rede. Da busca incessante pelo gol. Talvez por isso não tenha ido mais longe. Jogava pelo empate com a Itália. Esteve atrás do placar em duas ocasiões. Buscou o empate em ambas. Resultado que lhe servia. Mas a vocação do gol a fez ir pra cima, mesmo com o resultado a seu favor. Descuidou-se defensivamente contra uma equipe meticulosa e assim veio o castigo, ou a “Tragédia do Sarriá”. Nenhuma seleção naquele Mundial exibiu um futebol tão vistoso como a do Brasil.


Se vocês me perguntarem se caiu o Mito, digo sem duvidar que não. Ao fechar os olhos para lembrar aquela Seleção, não me vêm à mente os espaços deixados na defesa, mas os golaços daquela Seleção. Um a um. Cada construção. A impotência dos adversários ao imaginarem uma coisa e nossos craques geniais providenciarem outra. Pareciam ingênuos. Para finalizar, pensem no gol do Falcão contra a Itália. Quando ele cortou para a esquerda e desferiu um petardo. Toda a forte defesa italiana parecia ser composta de bobos.

137 visualizações

© 2018 Alternativa Esportes. Orgulhosamente criado com Bruno Pinheiro. 

  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes
  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes