• Luiza Martz

Mês Internacional da Mulher: Relembre 5 casos de violência contra a mulher por jogadores de futebol



Ainda que, cada vez mais, as mulheres estejam presentes nos mais diversos setores da sociedade, as estatísticas sobre as violências sofridas por elas não param de subir. O Brasil tem um índice especialmente alto de casos – tão alto que, muitas vezes, acaba aparecendo no cenário esportivo, principalmente no meio do futebol.

A última lista pensada pelo Alternativa para o Dia Internacional da Mulher não é comemorativa, mas serve para relembrar a importância de combater o sexismo todos os dias. Aqui estão 5 casos de violência de gênero cometidos por jogadores de futebol.


Robinho

Imagem: Divulgação/Getty Images (Créditos: Bob Thomas Sports)


Ídolo no Santos, Atlético Mineiro e na seleção brasileira de futebol, Robinho foi condenado na Itália a nove anos de prisão. O motivo? Participação em um estupro coletivo de uma jovem albanesa ocorrido em 2013, quando o atacante ainda jogava pelo Milan. Vale lembrar que o Santos tentou recontratar o Robinho recentemente, depois que a condenação veio a público. Mas devido à pressão da torcida e dos patrocinadores, acabou voltando atrás e desistindo do processo.

Cuca


Imagem: Divulgação/Getty Images (Créditos: Alexandre Schneider)


O técnico campeão da Libertadores pelo Atlético Mineiro não foi bem recebido pela torcida em seu retorno ao clube em 2021. Isso porque o treinador foi acusado de participar do estupro coletivo de uma menina de 13 anos em 1980 em Berna, na Suíça. Cuca foi condenado em 1989 – não pelo suposto estupro, mas por violência sexual contra menor de idade. Ele nunca cumpriu a pena e afirma ser inocente.


Jean


Imagem: Divulgação/Getty Images (Créditos: São Paulo Futebol Clube)


Ex-jogador do São Paulo e atualmente goleiro titular do Atlético Goianiense, Jean admitiu ter agredido sua esposa durante uma viagem a Orlando, Flórida, em dezembro de 2019. De acordo com a declaração de prisão registrada no dia, o jogador teria acertado sua esposa com oito socos após uma discussão. Em entrevista, ele pediu desculpas às mulheres e disse estar arrependido.


Jobson


Imagem: Divulgação/Getty Images (Créditos: Buba Mendes)


O ex-atacante do Botafogo foi preso, em 2013, sob a acusação de agredir a até então esposa após uma briga. Mas esse não é o único caso no histórico de Jobson. Em 2016, ele foi acusado de estupro por quatro menores de idade e foi preso novamente. O delegado do caso, inclusive, alegou que Jobson aliciava menores em sua chácara, no Pará, as entorpecia e abusava sexualmente delas. Mesmo após as ocorrências, Jobson foi contratado por outros clubes de futebol.


Bruno


Imagem: Divulgação/Getty Images (Créditos: Buba Mendes)


O caso Bruno é de longe o mais brutal da história do esporte brasileiro. O ex-goleiro do Flamengo foi condenado homicídio, ocultação de cadáver, sequestro e cárcere privado da até então namorada, Eliza Samúdio, no ano de 2010. A pena foi de 22 anos e 3 meses de prisão em decorrência dos eventos. Mesmo após o ocorrido, alguns clubes ainda tentaram a contratação do jogador, o que gerou comoção e repúdio por parte da imprensa e do público. Ainda assim, Bruno chegou a atuar pelo Boa Esporte (MG), Poços de Caldas (MG) e Rio Branco (AC). Recentemente o goleiro teve sua contratação anunciada pelo Atlético Carioca, da Série C estadual do Rio, mas não houve acerto.

31 visualizações0 comentário