• fernandorodox

Em tempos de pandemia, como está sendo o monitoramento e o acesso nas partidas do Carioca?


Foto: Wesley Tavares


Que a Pandemia mudou o mundo, isso a gente já sabe, mas como vem sendo feito o controle em alguns dos Estádios do Campeonato Carioca? Conversamos com Wesley Tavares, Gerente de Segurança no Elcyr Resende, Estádio do Boavista e no Lourival Gomes de Almeida, Estádio do Sampaio Corrêa. Além de ser Gerente de Segurança, ele é o Coordenador da Empresa Adsumus Vigilância, empresa que faz a Segurança nesses Estádios.


Wesley, nos fale mais quando começou a empresa?


A Empresa foi fundada em 2009 pelo seu atual diretor Welliton Flávio Tavares com uma visão voltada para o segmento de Portaria condominiais e Apoio a grandes eventos.



Hoje em média, quantos funcionários atuam nos jogos?


Atualmente contamos com em média 20 colaboradores por partida,



Com relação a Covid, quais os procedimentos que a empresa vem adotando nos jogos?


Estamos tomando todas as precauções e seguindo normas e diretrizes da OMS, o ambiente de trabalho está devidamente higienizado para que não aja transmissão.



Já tiveram algum tipo de problema, ou desrespeito por parte de algum membro de delegação?


Não tivemos nenhum problema de desrespeito as normas, estamos fiscalizando em parceria com a FFERJ desde a entrada no estádio até a saída, está sendo obrigatório o uso de máscara e a medição da temperatura.



Você acredita que o que vem sendo adotado é o suficiente? ou deveria haver um rigor maior por parte dos Responsáveis pelo Campeonato?


Está sendo suficiente sim , todos os envolvidos na participação do evento está realizando exames além das prevenções no estádio. Uso obrigatório de máscara , álcool em gel , temperatura.. então acredito que sim está sendo suficiente. Espero que tudo isso passe rápido - Concluiu Wesley Tavares.


233 visualizações0 comentário