• Alternativa Esportes

Atuações desastrosas, derrotas e desconfianças: o início ruim da Era Torrent no Flamengo

Este é um artigo opinativo. O texto abaixo é de total responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a opinião da Alternativa Esportes Web Rádio.


Por José Roberto Julianelli


Diego Alves reclama após um dos três gols sofridos pelo Fla, enquanto Gustavo Henrique fica sem reação | Foto: Marcos Souza/NascimentoSouzaPress/Estadão Conteúdo

O Flamengo precisa se livrar, urgentemente, do “fantasma” de Jorge Jesus. O torcedor rubro-negro tem que entender e aceitar que o treinador português deixou o clube por vontade própria, e não está mais no comando do time. É inegável que o trabalho realizado foi vitorioso, e provavelmente, tão cedo não será sequer igualado. Mas acabou a Era Jesus na Gávea. Ponto.


Hoje, o elenco está sob um novo comando, uma nova comissão técnica e novos métodos e conceitos de jogo estão sendo implementados. E é claro que os resultados não aparecem de uma hora para outra. Portanto, é preciso ter paciência. Afinal, o elenco de 2020 é muito melhor do que o de 2019, foi muito bem reforçado no início desta temporada, e o que está precisando é voltar a jogar futebol.


JJ já comandou o primeiro treino na nova casa | Foto: Divulgação/Benfica/Site oficial

Em primeiro lugar, quero deixar clara a minha total aprovação à decisão de Jorge Jesus em optar por sair do clube. Me colocando no lugar dele, eu posso enumerar várias razões que eu levaria em consideração na hora de decidir, por mais que fosse difícil no contexto de tantas conquistas. Primeiramente, o choque cultural de viver num país distante, com um povo que sofre pela falta de educação e de políticas que visem, de fato, ao bem da população; pessoas ignorantes, atitudes egoístas e muitas vezes atos de selvageria expostos diariamente, serviriam de argumentos para eu voltar ao meu país, que é muito mais civilizado e menos desigual. Uma outra razão, seria o fato de receber um reconhecimento pelo meu trabalho, com uma idade já avançada, e tendo a possibilidade de estar novamente num centro mais desenvolvido em relação ao futebol, que é a Europa. Uma terceira razão, também de grande peso, seria a possibilidade de estar próximo da minha família, dos meus amigos, do meu povo. E por fim, saber a hora de sair de cena, mesmo estando no auge, demonstra sabedoria, que normalmente só vem com a chegada dos cabelos brancos.


A mim, parece muito óbvia a impossibilidade de se repetir um ano mágico como foi 2019, mais títulos do que derrotas, uma invencibilidade histórica jogando no Maracanã, a adoração quase unânime da maior torcida do Brasil, entre outros fatos. Talvez a tentação imposta pela vaidade pudesse fazer com que Jesus começasse a pensar que era Deus, e um fracasso em 2020, muito possível no mundo do futebol, o colocasse na prateleira dos esquecidos, como é comum no comportamento do torcedor e de grande parte da mídia especializada. Saiu por cima, adorado e desejado, ainda que considerado traidor por uma parcela ínfima dos torcedores que não aceitaram a perda. Parabéns pela decisão!


Com a saída do técnico português vem uma “missão impossível” para a diretoria do Flamengo. De imediato, uma pressão de que não pode errar na escolha do substituto. Especulações, nomes são oferecidos, currículos são apresentados, reuniões, jantares, e enfim, a opção por um treinador estrangeiro novamente. Mais uma vez a diretoria do clube da Gávea faz uma aposta alta, como foi no ano passado. Evidentemente que hoje o desafio é infinitamente maior, levando em consideração todo o contexto vitorioso já exposto anteriormente.


Dois jogos e duas derrotas: início no comando do Flamengo certamente não saiu como o planejado para Dome | Foto: Reprodução/Alexandre Vidal/Flamengo

O treinador escolhido chegou com excelentes credenciais, mas também sob olhares desconfiados de muita gente. Afinal, não traz um histórico de grandes trabalhos realizados e conquistas de títulos no comando das equipes, porém, a maior “qualidade” que apresentou foi o fato de ter sido auxiliar de um dos maiores e mais celebrados treinadores da Europa: Pep Guardiola. Se por um lado isto é importante, por outro, pode não significar absolutamente nada, pois são pessoas diferentes, personalidades diferentes, e podem ter visões completamente distintas do jogo em si.


Enfim, mais uma aposta, e dessa vez em condições muito menos favoráveis. Domènec Torrent não terá tempo para trabalhar e formatar a equipe, tendo em vista que as competições já começaram e o calendário apertado impõe escolhas e decisões rápidas, fatores que aumentam muito mais a probabilidade de serem equivocadas. E o início da caminhada não poderia ser pior: dois jogos e duas derrotas. E no segundo jogo, uma atuação desastrosa, muito pior do que a primeira, demonstrando que não houve evolução, muito pelo contrário.

Leia também: Confira os 10 clubes que mais levaram gols de Gabigol e as marcas do artilheiro com apenas 23 anos


Chegada de Domenèc Torrent faz Fla continuar projeto de internacionalização da marca; entenda

Tenho ouvido muita gente falando que Dome não deveria mexer muito no time, que deveria ir devagar, enfim, que seria interessante agir cautelosamente. Eu discordo totalmente dessas ideias. Se ele realmente tem a dimensão do tamanho do desafio que escolheu enfrentar, ao aceitar ser treinador do Flamengo, precisa demonstrar coragem na mesma proporção. E num campeonato longo como o nosso, sem tempo para treinar, é imperioso que ele mude logo a forma de jogar do time, buscando aproximá-la cada vez mais rápido do estilo que ele acredita ser o melhor. Vai deixar para fazer isso quando? No segundo turno, quando não der mais para alcançar os primeiros colocados? Quando vierem as competições mata-mata, de Libertadores e Copa do Brasil? É agora sim que as experiências e os testes precisam ser feitos até conseguir “encaixar” o time conforme o seu modelo de jogo. E quando isso acontecer, sabemos que uma sequência de seis ou sete vitórias coloca o time na briga pelo título, ou pelo menos o classifica para as competições continentais.


Uma opção que num primeiro momento até poderia parecer um tanto absurda, mas que não exporia de imediato o trabalho da nova comissão técnica, seria fazer uma pré-temporada de umas três semanas, um mês, com o elenco principal, deixando o time sub-20 jogando essas primeiras rodadas, como foi feito no início do ano na Taça Guanabara. Mesmo correndo risco de alguns resultados ruins,o que não seria muito diferente do que está acontecendo. Essa medida daria um tempo razoável para que um mínimo de entrosamento entre os jogadores e as concepções de jogo do novo treinador pudessem acontecer. Mas isso deveria ter sido feito logo na chegada do técnico. Na minha visão faltou planejamento, e quem pode ser muito prejudicado no final é o próprio treinador.


O Campeonato Brasileiro está apenas começando, mas a paciência do torcedor não costuma ter grande elasticidade. Daqui a pouco os protestos e as críticas mais duras começarão a se tornar mais frequentes e intensas, o que poderá fazer estremecer a nau rubro-negra, que até aqui, vinha navegando por mares tranquilos.

60 visualizações

© 2018 Alternativa Esportes. Orgulhosamente criado com Bruno Pinheiro. 

  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes
  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes