© 2018 Alternativa Esportes. Orgulhosamente criado com Bruno Pinheiro. 

  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes
  • Alternativa Esportes

A final que não teve (ainda)


Foto: Getty Images

Por: J.V. Laguárdia


Era para ser a maior final da Libertadores da América. Após um belo jogo de ida, com placar de 2 a 2, o jogo da volta estava repleto de expectativa e emoção. A partida iria ocorrer no sábado, dia 24/11, mas as fortes chuvas na capital argentina atrapalharam a chegada de vários torcedores, além do sistema de drenagem do campo ter sido comprometido, adiando o jogo para o dia 25. Porém, o que se viu no entorno do estádio Monumental de Nuñez foi confusão, briga e ódio. Logo na chegada do ônibus do Boca Juniors, alguns torcedores do River jogaram pedras e acertaram o vidro. Os estilhaços acabaram acertando os jogadores, e o caso mais grave foi do capitão Pablo Pérez, que teve a confirmação de uma úlcera na córnea do olho esquerdo. Além disso, houve o confronto de parte das torcidas com a polícia e muita correria.


Como se não bastasse toda a situação vivida, a Conmebol adiou a partida para 19:20 do mesmo dia. O Boca foi a público para afirmar que os atletas não tinham condições físicas e emocionais para entrar em campo. Para piorar a situação, de acordo com alguns jogadores, o presidente da FIFA, Infantino, pressionou a fim de que a partida fosse realizada ainda no domingo – é a falta de bom senso e de humanidade sendo revelada. Por fim, a Conmebol decidiu adiar a final. Os presidentes de River e Boca, juntamente a Alejandro Domínguez, presidente da entidade máxima sul-americana, devem se encontrar na próxima terça (27), para escolher a nova data e o local da partida.


Vale a pena lembrar que na Libertadores 2015, em um jogo entre Boca e River Plate, válido pelas oitavas de final, houve muita confusão por parte da torcida e o Tribunal de Disciplina da entidade decidiu pela eliminação dos Xeneizes. Então, o que se espera é que haja coerência na decisão e que o River seja punido de forma exemplar – porque a decisão tomada após o jogo contra o Grêmio foi patética.

  • Facebook - Alternativa Esportes
  • Instagram - Alternativa Esportes
  • Twitter - Alternativa Esportes
  • Youtube - Alternativa Esportes